quinta-feira, 12 de maio de 2016

ESPERANTO É NOTÍCIA



“Imaginem um mundo no qual você pudesse viajar a qualquer lugar e falar com qualquer pessoa. Uma segunda língua universal para todos!” Com essas palavras, Arthur Smith, especialista em línguas, começa matéria para o programa de TV inglês “The One Show”. Sua apresentação é para falar do oftalmologista polonês Lázaro Luiz Zamenhof (1859-1917), o idealizador do Esperanto, que, segundo as bem inspiradas palavras do especialista, planejou o novo idioma “como um passo para contribuir com a harmonia no mundo”.

Smith impressionou-se com a quantidade de pessoas que se comunicam utilizando o Esperanto. Ele foi conversar pessoalmente com uma delas, Tim Moley, um polonês residente na Inglaterra e que leciona o Esperanto.

“O Dr. Zamenhof – conta Moley – vivia em uma cidade (Bialystok) onde havia uma comunidade judaica, mas também uma comunidade russa e outra alemã. E havia muitos conflitos entre esses diferentes grupos. A forma como Zamenhof viu isso é que parte do problema se devia ao fato de eles não conseguirem conversar uns com os outros. Se todos tivéssemos uma segunda língua, pelo menos teríamos a chance de sentar e conversar, esperançosamente. Ser gentis uns com os outros.”

Smith visitou uma das escolas primárias onde o Esperanto é ensinado como parte de um projeto piloto que se apoia na hipótese de que o idioma desenvolvido por Zamenhof torna mais fácil o aprendizado de outras línguas. No início, apontou, os pais estavam céticos, mas, depois de um semestre de estudos, ficaram impressionados.

“Eu realmente questionei quando descobri que as crianças iriam estudar Esperanto. Eu vim observar as lições e as crianças estavam tão avançadas que elas conseguiam aplicar a sua própria gramática para cores e diferentes números de objetos que eles descreviam em sala” – disse a Dra. Jo Montgomery, representante de pais junto ao Governo.

Outra história emocionante mostrada por Smith foi a do casal Terry e Anisa (foto). Eles se conheceram na Holanda, em 1964, num congresso de Esperanto. O detalhe é que ela, eslovena, não falava uma única palavra de inglês, língua de Terry, natural da Inglaterra. Para eles, o Esperanto, chamado por muita gente de Idioma da Fraternidade ou Língua Internacional Neutra, acabou se tornando o Idioma do Amor.

“Ele se aproximou de mim e perguntou (em Esperanto), se podia carregar minha mala. Eu disse: – Sim, carregue, por favor” – contou Anisa. Ali começou um relacionamento que já dura muitos anos e lhes rendeu dois filhos, que também falam Esperanto.
“Esta é a primeira língua deles. Aprenderam Esperanto antes de aprender inglês” – arremata, orgulhoso, Terry.

A reportagem é encerrada com Smith, ainda sob a inspiração da história de Anisa e Terry, arriscando uma declaração, em Esperanto, para a sua amada: “Adrian, mi ne povas vivi sen vi!”. Em português, “Adrian, eu não posso viver sem você!”

A reportagem, com legendas em português, pode ser assistida na íntegra em www.youtube.com/watch?v=608eKxxB48Y.

O Esperanto, vale ressaltar, pode ser aprendido hoje facilmente pela internet, e de forma gratuita. O site www.lernu.net, por exemplo, disponível em vários idiomas, oferece cursos básicos e avançados, com exercícios, jogos, dicionários, gramáticas, testes, livros, música, vídeos, notícias, salas de bate-papo, fóruns de discussão... Quem preferir aulas presenciais, é possível achar vários endereços pela própria internet, como o da Federação Espírita Brasileira (FEB), que há mais de cem anos promove o ensino do Esperanto por entender seu papel na aproximação das criaturas. Seus cursos acontecem no Rio de Janeiro, na Sede Histórica – telefone (21) 3078-4747 – e na Sede em Brasília – (61) 2101-6161.
Acredita-se que mais de 3 milhões de pessoas falem o Esperanto atualmente em todo o mundo.

SERVIÇO ESPÍRITA DE INFORMAÇÕES
Boletim SEI: E-mail: boletimsei@gmail.com

Fevereiro 2014 – no 2233

Um comentário:

  1. Saluton!

    Este comentário destina-se à divulgação do esperanto, a língua da fraternidade!

    Visite: http://www.spiritismo.org

    Muita paz!

    ResponderExcluir