segunda-feira, 16 de maio de 2016

VIGILÂNCIA NA CASA ESPÍRITA

VIGILÂNCIA NA CASA ESPÍRITA



Therezinha Oliveira


É no Centro Espírita que os adeptos do Espiritismo se reúnem, tanto para o estudo teórico de Doutrina Espírita como para o intercâmbio, confraternização e ajuda mútua, com encarnados e desencarnados.

Fulcro vivo de atividades profundas e variadas, a Casa Espírita requer de seus servidores, dirigentes ou não, uma atitude de incessante vigilância e cuidado para que não haja nela desvirtuamento de ideias e comportamentos que a descaracterizariam.

Afável seja o trato, fraterna a disposição de acolhimento e ajuda para com todos, na Casa Espírita.

A programação de estudos, faça-se nela acessível ao grande público, aprofundada para os mais experientes, coerente sempre com os fundamentos doutrinários, deles jamais se afastando.

O labor mediúnico tenha a marca da seriedade e do respeito, visando à comunhão espiritual verdadeira e legítima, sem se pretender colocar o Céu a serviço da Terra, mas buscando que a Terra se eleve ao Céu.

Haja, na Casa Espírita, ensejo de aprendizado, serviço e companheirismo para todas as idades, da criança aos idosos, e para todos os níveis sociais, de cultura ou de renda.

Estimulados sejam todos os frequentadores do Centro Espírita aos serviços assistenciais na comunidade, a fim de que equilibrem teoria e vivência dos princípios espíritas.

Mentira, materialismo, egoísmo. São as portas usuais pelas quais surgem as tentativas de infiltração da inferioridade, nossas e alheias, na seara doutrinária.

Contra elas, a Casa Espírita terá natural defesa, se a mantivermos em clima de sinceridade, espiritualidade e amor ao próximo.
*

Republicamos este texto, do SEI 934, de 22 de fevereiro de 1986, em homenagem à sua autora, Therezinha Oliveira, que desencarnou no dia 28 de agosto em Campinas (SP), onde residia, devido a uma pneumonia. Nasceu em 2 de outubro de 1930, em Cravinhos (SP), filha da católica Ana e do espírita Pedro de Oliveira. Por mais de 50 anos se dedicou à divulgação do Espiritismo, tornando-se figura das mais conhecidas no meio espírita. Professora de formação, levou sua didática e espírito de serviço às tribunas de todo o país, onde realizou mais de três mil palestras, tarefa que estendeu também a alguns outros países. Escreveu diversos livros. Sete foram na parte de estudos e cursos, dentre os quais estão “Iniciação ao Espiritismo”, “Mediunidade” e “Fluidos e passes”. Quinze outras obras de sua lavra são de caráter doutrinário e evangélico, como “Parábolas que Jesus contou”, “Na luz do Evangelho (a mensagem do amor)” e “Ante os problemas humanos”. Muitos dos estudos doutrinários realizados pela Professora Therezinha também foram reunidos em DVD (ver ao lado). Ela também presidiu, por muitos anos, o Centro Espírita Allan Kardec e a União das Sociedades Espíritas (USE) de Campinas.

Em nota, o presidente da Federação Espírita Brasileira, Antonio Cesar Perri de Carvalho, que a conheceu na 1ª Confraternização de Mocidades e Juventudes Espíritas do Brasil (Comjeb), em Marília (SP), em 1965, enalteceu o trabalho de dedicação e fidelidade empreendido por Therezinha, a quem chamou de “grande seareira de Campinas”.

Na página http://vimeo.com/10645199, há um documentário intitulado “Na luz de Therezinha Oliveira”, contando um pouco da vida da já saudosa tarefeira.  


SERVIÇO ESPÍRITA DE INFORMAÇÕES
Boletim SEI: E-mail: boletimsei@gmail.com

Setembro 2013 – no 2228

Nenhum comentário:

Postar um comentário