domingo, 22 de maio de 2016

NOTAS DA GRANDE IMPRENSA # SUICÍDIO DE IDOSOS: É PRECISO MAIS ATENÇÃO

NOTAS DA GRANDE IMPRENSA # SUICÍDIO DE IDOSOS: É PRECISO MAIS ATENÇÃO

A notícia do suicídio de um consagrado artista brasileiro trouxe à tona um problema que não tem merecido a devida atenção da sociedade brasileira: a alta taxa de idosos que dão fim à própria vida. Estima-se que ocorra, em nosso país, uma média de 24 suicídios por dia, cerca de 9 mil ao ano. A taxa que mede o número de mortes a cada 100 mil habitantes é de 4,5 no Brasil, bastante inferior à de países como Japão (34,1) e Estados Unidos (10,4); mas, mesmo assim, o Brasil esconde variações significativas. Os números oficiais apontam, entre as mulheres, taxa de 1,9 suicídios. Entre os homens, 7,1. Já entre idosos acima dos 75 anos, o percentual passa para 15.

Em reportagem publicada na “Folha de S. Paulo”, a jornalista Cláudia Collucci aborda o delicado tema, ressaltando que os casos de suicídio de idosos são elevados em todo o mundo. “Há vários fatores associados, como a perda de parentes referenciais, sobretudo do cônjuge, solidão, existência de enfermidades degenerativas e dolorosas, sensação de estar dando muito trabalho à família e ser um peso morto, abandono, entre outros” – informa a reportagem, que também comenta um estudo da Escola Nacional de Saúde da Fiocruz que buscou compreender as razões e as circunstâncias dos suicídios entre idosos com mais de 60 anos. Entre as principais observações feitas pelo estudo está a de que 67% dos idosos estavam em atendimento em serviços de atenção primária nos últimos 30 dias de vida e até meia semana antes de se matarem, o que demonstra o quanto é preciso intensificar a atenção ao idoso, assim como aos seus familiares no sistema de saúde. A pesquisa revelou ainda que familiares e amigos não costumam levar a sério as intenções de suicídio, mesmo quando explicitadas verbalmente, e que há necessidade de se dar maior atenção, no serviço de saúde, ao impacto causado por um suicídio entre familiares e amigos.

“O suicídio impacta o sistema familiar e a rede de amigos, produzindo rupturas nos laços afetivos e sociais, o que pode provocar o isolamento de pessoas, parentes e amigos, limitando ou cerceando trocas que seriam fundamentais para o reequilíbrio do grupo familiar” – diz a pesquisa. A reportagem pode ser lida em 

www1.folha.uol.com.br/colunas/claudiacollucci/1219075-walmor-chagas-e-o-suicidio-entre-idosos.shtml.

O suicídio é uma péssima escolha. Esclarece o Espiritismo que, ao lesionar o corpo físico nesse ato, a pessoa leva para a vida extrafísica as sequelas do que provocou em si, já que há, no espírito encarnado, a ligação energética entre seus corpos material e espiritual (perispírito). E, além das dores que provoca nos que se deixam arrastar por sua falsa ideia de libertação, o suicídio, ao lesionar o perispírito – o Modelo Organizador Biológico, nas palavras do pesquisador Hernani Guimarães Andrade – faz com que essas sequelas, não raramente, se projetem para a próxima encarnação, na forma de deficiências e outras inibições.

No capítulo primeiro da quarta parte de “O Livro dos Espíritos”, Allan Kardec dedica todo um tópico ao tema “Desgosto da vida. Suicídio”, que engloba as questões 943 a 957, muito esclarecedoras. Para quem deseja se aprofundar ainda mais no assunto, o livro “Memórias de um suicida” (ed. FEB), do Espírito Camilo Castelo Branco pela mediunidade de Yvonne do Amaral Pereira, é leitura obrigatória. Expõe a difícil realidade dos suicidas no além-túmulo, mas igualmente mostra os esforços dos benfeitores espirituais que, em nome da Misericórdia Divina, se desdobram no socorro a esses irmãos.

Para quem pensa em suicídio, ficam aqui as sugestões de leitura, e o conselho para que procure o atendimento fraterno da Casa Espírita mais próxima, o quanto antes, já que o apoio espiritual e o tratamento clínico se complementam. Aos parentes e amigos de suicidas, a recomendação da prece, do passe, da palestra, da leitura edificante e do trabalho no bem, terapêuticas geradoras de energias salutares que haverão de alcançar, inevitavelmente, seus amados no outro lado da vida, ajudando-os na sua recuperação, já que nem mesmo a temporária separação física é capaz de desfazer os laços sublimes do coração.


SERVIÇO ESPÍRITA DE INFORMAÇÕES
Boletim SEI: E-mail: boletimsei@gmail.com
Fevereiro 2013 – no 2221


Nenhum comentário:

Postar um comentário