quinta-feira, 26 de maio de 2016

AS CARTAS DE CHICO XAVIER

AS CARTAS DE CHICO XAVIER


Três mortes, três acusados, três absolvições e três testemunhos de que a vida continua após a morte. As histórias aconteceram entre 1976 e 1980, em Mato Grosso do Sul e Goiânia, mas chamaram a atenção do mundo mais uma vez para a mediunidade de Francisco Cândido Xavier e para um fato até então inédito na história da Justiça: a absolvição de três acusados de assassinato mediante o depoimento de suas próprias vítimas através de cartas psicografadas, anexadas aos processos.

Os casos foram relembrados em 4 de novembro, no programa “Linha direta justiça”, da TV Globo, no episódio “As cartas de Chico Xavier”, cuja exibição foi anunciada com destaque por diversos jornais, dentre os quais o jornal “Extra”, do Rio de Janeiro, em 31 de outubro. A reportagem, das jornalistas Vivianne Cohen e Ana Bárbara Elias, ouviu alguns dos envolvidos, dentre os quais João Marcondes, levado a julgamento após matar com um tiro acidental, em sua casa, em Campo Grande (MS), a esposa Gleide Maria Dutra, Miss Campo Grande 1975.

 “Acho que fui um instrumento de Deus para mostrar a todos que existe vida após a morte” – disse Marcondes, que após o acontecido tornou-se espírita e deu o nome de Gleide a uma de suas filhas do segundo casamento. “A personalidade das duas é muito parecida. É como uma volta ao passado” – afirmou.


Antes de Marcondes, contudo, a polêmica quanto ao uso de cartas psicografadas em questões legais já havia se instalado, com o julgamento de dois casos. O primeiro o de Henrique Gregoris, morto em 1976, aos 23 anos, por João França após uma brincadeira de roleta-russa; e o segundo, de Maurício Garcez, de 15 anos, assassinado pelo amigo José Divino Nunes, de 18, por disparo acidental de arma de fogo. A absolvição de Divino veio também pelas mãos do juiz Orimar de Bastos, recebendo confirmação do júri depois que o Ministério Público entrou com recurso.

“Tenho a convicção de que fiz justiça” – declarou Orimar de Bastos, que não é espírita e na ocasião sofreu perseguição dos colegas de profissão. O juiz, hoje aposentado, contou um fato curioso por ele vivido ao redigir a primeira sentença.

“Havia batido à máquina as considerações iniciais e me lembro de ouvir o relógio da cidade (Piracanjuba) bater 21 horas. Não sei se entrei em transe, mas, quando dei por mim, estava escutando as badaladas das 24 horas. E a sentença estava pronta. Não me recordo de ter redigido nada. Levei um susto. Havia escrito, além das três páginas das quais me lembrava, seis sem sentir. E quando a gente batia à máquina, era comum cometer alguns erros de datilografia, mas nas últimas folhas não havia nenhum. Fiquei intrigado e resolvi ir embora. No dia seguinte, ao me sentar no ônibus para reler a sentença antes de pronunciá-la, acabei dormindo. Eu havia absolvido o rapaz” – revelou.

A explicação para o fato, inclusive sobre o seu envolvimento nos dois casos, só veio depois, quando se encontrou com Chico Xavier. O médium mineiro psicografou uma mensagem do juiz Adalberto Pereira da Silva, desencarnado em 1951, na qual revelava a Orimar que a sua transferência para Goiânia havia sido planejada pelo Plano Espiritual, para que também pudesse atuar no caso do Divino.

O ex-juiz hoje ministra palestras em Goiânia sobre o caso e se prepara para lançar um livro no qual contará a história de sua decisão.



SERVIÇO ESPÍRITA DE INFORMAÇÕES
Boletim SEI: E-mail: boletimsei@gmail.com

Sábado, 20/11/2004 - no 1912

Nenhum comentário:

Postar um comentário