terça-feira, 24 de maio de 2016

DOS CONFRADES #O CENTRO ESPÍRITA

DOS CONFRADES

O CENTRO ESPÍRITA

Maria Lúcia Silva Rodrigues



Ainda hoje o Espiritismo é confundido com outras crenças que também utilizam o trabalho mediúnico e que se intitulam Centros Espíritas.

Este conceito equivocado não passa da falta de informação e de um esclarecimento mais apurado sobre a Doutrina Espírita.

Sabemos que a mediunidade não é privilégio de ninguém e que pode ser exercida por pessoas portadoras de dotes sensitivos especiais, de qualquer religião.

A interpretação errônea sobre Centros Espíritas foi ilustrada de maneira bem humorada por Richard Simonetti, no livro “Endereço Certo”.

A história, chamada “O horário da macumba”, relata o caso de dois funcionários de uma mesma repartição: Gervásio e Manoel.

O fato de Manoel ser espírita intrigava muito Gervásio, que diariamente lhe perguntava:

“Qual o horário da sua macumba?”

O companheiro de trabalho, polidamente, lhe respondia o horário e o endereço.

Apesar de Manuel levar a brincadeira na esportiva, Gervásio não se cansava de “perturbá-lo” com a mesma pergunta por longo período. Como bom espírita, Manoel não se deixava abalar, pois via nele a oportunidade de praticar a paciência e a tolerância.

Após alguns meses, ao chegar ao Centro Espírita, quem Manoel vê nas primeiras cadeiras? – o próprio Gervásio! Manoel pergunta-lhe se ele viera conferir o horário da macumba, mas ele, educadamente, lhe responde que viera conhecer esta Doutrina que fez com que seu companheiro de trabalho, mesmo diante de tanta insistência, não perdesse a paciência. E de paciência era o que ele, Gervásio, mais precisava...


Este conto nos permite concluir que a desinformação leva as pessoas a confundir o Espiritismo, que é a fidelidade aos ensinamentos dos Espíritos codificados por Allan Kardec, com rituais mágicos destinados a resolver problemas corriqueiros e imediatistas.

Um Centro Espírita tem várias funções, mas a primeira e mais importante é a de Educandário para os espíritos de ambas as dimensões, encarnados e desencarnados, onde estudamos o Evangelho de Jesus. Ele é também um hospital, através do tratamento fluidoterápico, e ainda um templo, pois nos mostra o caminho do amor entre as criaturas, na grande fraternidade universal do Reino de Deus.

O nosso querido Chico Xavier também nos explica esta questão com muita simplicidade e sabedoria, afirmando que: “Um Centro Espírita é uma escola onde podemos aprender e ensinar, plantar o bem e recolher-lhes as graças, aprimorar-nos e aperfeiçoar os outros, na senda eterna. Quando se abrem as portas de um templo espíritacristão ou de um santuário doméstico, dedicado ao culto do Evangelho, uma luz divina acende-se nas trevas da ignorância humana e através dos raios benfazejos desse astro de fraternidade, os homens que dele se avizinham, ainda que não desejem, caminham, sem perceber, para a vida melhor”.

“O Espiritismo é a doutrina de Jesus, em espírito e verdade, sem fórmulas, sem ritos, sem aparências, nem representantes, nem ministros. É a religião do amor e da verdade, na qual cada um é o responsável pelos atos”, esclarece-nos Divaldo Pereira Franco em “Nos Bastidores da Obsessão”.

Se o Espiritismo busca a verdade cristã e espírita é aquele que vive o Cristianismo na sua pureza, logo o Centro Espírita é a reunião de pessoas que vivem a mensagem do Cristo na sua essência. Que possamos ser os principais divulgadores desta Doutrina reveladora, lembrando sempre das palavras de Jesus: “Conhecereis a verdade e a verdade vos libertará”.



“O Aprendiz”, informativo do Centro Espírita Maria Angélica (Rua Odilon Duarte Braga, 240 – Recreio dos Bandeirantes – CEP 22790-220 Rio de Janeiro, RJ – telefone (21) 2437-5947 – www.cema.org.br).

Nenhum comentário:

Postar um comentário