sexta-feira, 13 de maio de 2016

O DR. DEMEURE

O DR. DEMEURE

D. Villela


Antoine Demeure residia na cidade de Albi, situada no sul da França, aí desencarnando após uma longa e proveitosa existência. Médico homeopata, seu saber, tanto quanto seu caráter, haviam-lhe granjeado a admiração e uma profunda estima de seus concidadãos e, a despeito da idade avançada, não se lhe conheciam fadigas em se tratando de socorrer doentes pobres, aos quais, muitas vezes, além de nada cobrar, ainda oferecia ajuda, para aliviar-lhes as necessidades materiais. Conhecendo as publicações de Allan Kardec, tornara-se espírita convicto e grande divulgador do Espiritismo, passando, também, a corresponder-se com o Codificador, estabelecendo-se, então, entre eles, embora nunca se tivessem encontrado pessoalmente, laços de fraterna amizade. Tomando conhecimento, no dia 30 de janeiro, de seu falecimento, Kardec desejou entrar em contato com ele, obtendo, nesse mesmo dia, bela mensagem transmitida por Demeure, na qual este chama Kardec de Mestre e amigo e descreve sua rápida superação do torpor da morte, sua alegria ao sentir-se totalmente livre das impressões produzidas pelo desgaste orgânico e seu deslumbramento ante as maravilhas da Criação, observadas, agora, sem as limitações impostas pelos sentidos materiais. Outras mensagens recebidas nesse período mostravam o Dr. Demeure empenhado no atendimento a pessoas com problemas de saúde – entre elas o próprio Kardec –, procurando curá-las ou aliviar seus padecimentos.

O depoimento de Antoine Demeure e mais 17 outros de entidades que estavam felizes após retornarem à espiritualidade evidenciavam que essa felicidade não se constituía de contemplação ociosa, mas, sim, de contínua ação no bem, não raro nas mesmas áreas em que atuaram enquanto na Terra.

Dispunha-se agora de informações, e não de simples especulações, sobre as condições de vida no mundo espiritual, dados estes que possibilitaram a Allan Kardec apresentar na obra “O Céu e o Inferno” um amplo estudo sobre a Justiça Divina, onde se evidencia que ela funciona sempre em associação com a Divina Misericórdia.

Tinha-se, ao mesmo tempo, mais uma confirmação das palavras dos benfeitores espirituais responsáveis pela Codificação que, em resposta à indagação “Por que a verdade não foi sempre posta ao alcance de toda a gente?” (“O Livro dos Espíritos”, questão 628), afirmaram: “Importa que cada coisa venha a seu tempo. A verdade é como a luz: o homem precisa habituar-se a ela, pouco a pouco; do contrário, fica deslumbrado. Jamais permitiu Deus que o homem recebesse comunicações tão completas e instrutivas como as que hoje lhe são dadas...”

A literatura espírita posterior prosseguiu, e prossegue, ampliando esse conhecimento, evidenciando, assim, o cumprimento da promessa de Jesus, de que enviaria outro Consolador para explicar¬-nos todas as coisas e permanecer conosco para sempre (João, 14: 15 a 17 e 26).
*

“O Céu e o Inferno” (Segunda Parte, “Espíritos felizes, o Dr. Demeure”).


SERVIÇO ESPÍRITA DE INFORMAÇÕES
Boletim SEI: E-mail: boletimsei@gmail.com

Novembro 2013 – no 2230

Nenhum comentário:

Postar um comentário