quarta-feira, 6 de abril de 2016

DOS CONFRADES - A PRESENÇA DA MEDIUNIDADE NA VIDA DE TODOS NÓS

DOS CONFRADES

A PRESENÇA DA MEDIUNIDADE NA VIDA DE TODOS NÓS

Estava andando pela rua quando, de repente, alguém interrompeu a minha caminhada e de modo apressado me perguntou:

- Ei, você frequenta o Centro Espírita?

Você é médium?

Oscilei, sem saber ao certo o que responderia.

Se dissesse que sim, seria verdadeiro, mas se dissesse que não também não estaria mentindo.

Se buscarmos a definição de Allan Kardec, em O Livro dos Médiuns sobre a questão, compreenderemos que todo aquele que sente num grau qualquer a presença dos Espíritos é por esse fato médium. Se completarmos com a resposta dos Espíritos na questão 459 de O Livro dos Espíritos entenderemos que os seres espirituais interferem em nossa vida muito mais do que imaginamos, podendo até mesmo nos dirigir.

Por outro lado, se pensar na mediunidade ostensiva, que permite a comunicação dos seres desencarnados com os encarnados  classificada por Kardec como fenômeno que pode ser físico e inteligente  não poderia dizer que a possuo.

Num átimo de tempo considerei que o melhor seria não responder nada, mas indagar um pouco mais sobre o que realmente aquela criatura desejava. E foi assim que perguntei:

- Você está precisando de algo, posso ajudá-lo de alguma maneira?

Para minha surpresa o companheiro que afoitamente me abordava, desejando saber de meus dotes mediúnicos, começou a desfilar um cortejo de problemas que me fizeram crer que, na verdade, ele estava mesmo precisando era de alguém para ouvi-lo, não importava em que circunstância, se médium ou não, se espírita ou não, apenas alguém que pudesse partilhar com ele o seu momento de dor. E olha que esta era intensa.

Conversamos um pouco mais, encaminhamos para um atendimento fraterno que o Centro Espírita oferece para aqueles que desejam conversar, desabafar, e prosseguimos nossa caminhada, desta vez bem mais reflexiva.

No caminho pensava como é impressionante a vida. Deus nos oferece recursos em todos os instantes para que sejamos ajudados. A Doutrina Espírita tem por objetivo consolar, esclarecer os corações sofridos que anseiam por socorro, entendimento, paz, mas ela por si só não existiria se não fosse a mediunidade. Foi por intermédio desta que tudo começou e ainda hoje muitos veem na mediunidade um recurso capaz de aliviar as suas dores.

O que não podemos esquecer é que Deus nos auxilia a encontrar caminhos melhores.

Às vezes será um bom médium aquele que se dispõe a ouvir o outro com compreensão e carinho; será também intermediário do bem quem se propõe a levar uma palavra de conforto e otimismo ao que necessita.

Diariamente somos convidados a ser instrumento do bem. Porque o bem é tudo o que provém de Deus e Este sempre nos ampara. Para ouvir Deus não precisamos buscar uma sessão mediúnica, precisamos abrir nosso coração e compreender que na vida Deus sempre nos fala de muitas maneiras e cabe a nós aprender a escutá-Lo.

Jornal Novos Tempos, do Centro Espírita Augusto Silva (Rua Misseno de Pádua, 390  Centro  CEP 37200-000 Lavras, MG  telefone (35) 3821-2565).


Conselho Espírita Internacional
Boletim SEI: E-mail: boletimsei@gmail.com
Sábado, 4/9/2004 - no 1901

Nenhum comentário:

Postar um comentário