sábado, 11 de junho de 2016

DOS CONFRADES #AO ENCONTRO DE JESUS

DOS CONFRADES

AO ENCONTRO DE JESUS

Maria Emília Barros


E não podendo aproximar-se dele, por causa da multidão, destelharam a casa onde Jesus estava e, feita uma abertura, baixaram o leito em que jazia o paralítico. (Marcos, 2:4).

Muitas pessoas confessam sua necessidade do Cristo, mas frequentemente alegam obstáculos que lhes impedem a sublime aproximação.

(...) Para que nos sintamos na vizinhança do Mestre (...), faz-se imprescindível estender a capacidade, dilatar os recursos próprios e marchar ao encontro dEle, sob a luz da fé viva.

(...) E na hipótese de encontrares grandes dificuldades para gozar a presença do Cristo, pelos teus impedimentos de ordem material, dirige-te para o Alto, com o amparo de teus amigos espirituais, e deixa-te cair aos seus pés divinos, recebendo forças novas que te restabeleçam a paz e o bom-ânimo.  Emmanuel (Caminho, verdade e vida, capítulo 118, psicografia de Chico Xavier, edição FEB).

Somos Espíritas. Acreditamos em Deus e em Jesus.

Para nós, Deus é a inteligência suprema, causa primária de todas as coisas, é eterno, imutável, imaterial, único, onipotente e soberanamente justo e bom.

Sabemos que Jesus é o modelo e guia para toda a Humanidade.

Muitos pensam que se pudéssemos estar mais perto de Jesus, se pudéssemos tocar o Seu manto e sentir a Sua vibração, ouvir a Sua voz e sentir o Seu carinho, todas as nossas preocupações e dificuldades se resolveriam. Mas não é assim.

Os Evangelhos relatam-nos episódios da época de Jesus que mostram a necessidade que todos temos de nos esforçarmos. O Espírito Emmanuel lembra-nos o episódio do paralítico que desejando ver Jesus e ouvi-Lo, mas não podendo chegar ao interior da casa onde Ele estava, pediu ajuda aos amigos, que destelharam a casa, içaram-no e fizeram-no descer através do telhado até a sala onde Jesus estava.

Analisando essa passagem, podemos perceber:

 no pedido de ajuda aos amigos, a necessidade de orar, não com palavras feitas, mas com a alma plena de confiança em Deus;

 na colaboração dos amigos, a presença constante dos Benfeitores Espirituais, os nossos verdadeiros amigos, que nos amam e amparam e que estão sempre próximos de nós;

 no movimento de ser içado, o amparo dos Mentores Espirituais que aproveitam a nossa vontade e o nosso esforço para ampliar as nossas forças auxiliando¬-nos sempre;
 no encontro com Jesus, a certeza de que vencendo obstáculos existentes na própria alma e entregando-nos ao Mestre com Fé, Vontade e Perseverança sentiremos o Seu Amor, inundando a nossa alma de novas energias que restabelecem a paz e o bom-ânimo.

Não podemos esperar que o Mestre faça por nós o trabalho de renovação que nos cabe realizar. Os impedimentos materiais ou físicos que nos afetam têm origem nas nossas imperfeições e nos desafetos que distribuímos em existências anteriores. Por isso, é a nós que compete procurar o Mestre, pela oração e pela confiança nos Benfeitores Espirituais para que esses impedimentos pareçam menos pesados e para que as energias renovadas nos permitam caminhar na construção da Paz e do Amor.



SERVIÇO ESPÍRITA DE INFORMAÇÕES
Boletim SEI: E-mail: boletimsei@gmail.com
Novembro 2013  no 2230

Nenhum comentário:

Postar um comentário