quarta-feira, 11 de março de 2009

O verbo servir.

CLÁUDIA MAZZONI

“O FILHO DO HOMEM NÃO VEIO PARA SER SERVIDO, MAS PARA SERVIR.” Jesus – Mateus, XX, 28Ao escrever os livros do Pentateuco Espírita, Kardec nos legou mais do que os ensinamentos neles contidos. Ensinou-nos a raciocinar, a interpretar os ensinamentos de Jesus nos Evangelhos e, principalmente, a aplicá-los no dia-a-dia.

O mestre francês também nos ensinou a avaliar as vantagens de seguirmos o caminho apontado pelos Espíritos Superiores.

Assim, dentre as várias escolhas que temos que fazer diariamente, é que aprendemos a raciocinar para decidir o que é melhor para nós.

Mas, o que entendemos como “melhor”? Eis aí a primeira diferença entre o raciocínio vulgar e aquele ensinado pela Doutrina: “melhor” é a escolha que se faz para favorecer o maior adiantamento possível em nossa evolução. Isso implica em que não haja prejuízo algum para outrem, caso contrário não haveria evolução para nós. Deduzimos então que nem sempre o que atende à nossa vontade é realmente o melhor para nós.

Aprendemos também que os únicos responsáveis pela nossa evolução somos nós mesmos, porém os mecanismos perfeitos das leis de Deus exigem a troca para evoluirmos. A Parábola dos Talentos explicita isso muito bem: o que recebemos deve ser utilizado em favor do maior número de pessoas possível. As conquistas provenientes da troca, da cooperação, da interação serão convertidas em passos evolutivos.

Aí chegamos ao ponto da citação do título. Será que aquele que só quer ser servido é uma pessoa que troca, que coopera, que interage? No esquema de valores da Terra, a importância das pessoas costuma ser medida pela quantidade de servos que possui. Levando adiante o raciocínio lógico, que garantia tem alguém de que o outro vai servi-lo, mesmo subjugado, escravizado? Aquele que deseja ser servido, não passa de refém dos servidores, não tem liberdade alguma.

Só existe uma maneira de termos total controle sobre uma situação: é quando nos decidimos por servir, ao invés de sermos servidos, ostentando nosso maior grau de liberdade. E é também a única fonte segura de satisfação, de felicidade, pois só depende de nós. Isso ninguém pode usurpar, tolher, reprimir. Levado com a alegria devida, servir torna-se também o meio mais rápido de galgarmos os degraus da evolução em direção à perfeição.

Mas o melhor entendimento desse verbo tão desprezado nos dias de hoje é com relação à nossa posição de criaturas. Ao sairmos das “mãos” de Deus simples e ignorantes, o caminho mais curto para a perfeição é a crescente consciência e a confiança total de que as leis do Pai são perfeitas e sempre a nosso favor; que os alvitres divinos não nos castigam, não nos humilham, nem mesmo nos contrariam: são sempre a situação e a psicosfera que mais favorecem nossa evolução naquele momento.

Aquele que opta por servir, por ser um filho de Deus e reconhecer nos outros irmãos seus, ajuda, ampara, consola, orienta, trabalha para que todos juntos progridam. Trabalha com consciência, não desrespeitando aspecto algum da Criação. Protege a Natureza, utiliza com respeito os recursos naturais, não discrimina, faz divisões justas e misericordiosas, ouve seu irmão e balsamiza suas chagas. Age, não reage. Em suma, ocupa com propriedade seu lugar na Criação.

São esses filhos de Deus que vão povoar o mundo de regeneração, etapa alcançada pelo nosso planeta. É o passo que nos compete dar, pois é hora de ir adiante.

Quem serve, prossegue.

 

O jornal O APRENDIZ é uma publicação bimestral do CEMA - Centro Espírita Maria Angélica

Rua Odilon Duarte Braga, nº 240 - Recreio dos Bandeirantes. Rio de Janeiro - CEP 22.790-220 –

Telefone: (21) 2437-5947 - Distribuição interna

5.000 exemplares - Jornalista responsável: Gustavo Poli - DRT/RJ: 9019198

Ano 4 • Nº 16 outubro / dezembro 2005

Nenhum comentário:

Postar um comentário