quarta-feira, 11 de março de 2009

O Faz de Conta da Ilusão!


Wellington Rocha Balbo

 

A ilusão é uma marca quase que registrada do mundo em que vivemos.

Temos grande facilidade para nos iludirmos com as situações, por vezes chegamos a ponto de considerar que os outros são os motivos de nossa infelicidade. Exclamamos: Ah, se eu conhecesse ele antes certamente não teria me casado!

Em época de eleição não é diferente, ficamos no aguardo do Salvador da Pátria, alguém que com poderes mágicos ditará rumos gloriosos ao nosso país. Iludimo-nos novamente, esperamos mudanças do governo, cruzamos os braços, não alteramos nosso comportamento e exclamamos: Ah, se eu soubesse que ele nada faria não teria o meu voto!

Dia desses escutei o comentário de um pai infeliz com a postura de seu filho:

- Dei de tudo a esse garoto, melhores escolas, melhores roupas, lazer, cultura e olha o que aconteceu, tornou-se a ovelha negra da família!

Pai iludido que se recusa a enxergar a realidade dos fatos negligenciou que a criança necessita muito mais do que boas escolas e roupas de “marca”, carinho, afeto, compreensão e repreensão quando necessário fazem parte da boa educação.

O iludido sempre deposita suas frustrações em ombro alheio.

Outro dia uma amiga retirou-se da instituição religiosa que freqüentou por 20 anos – motivo: mais uma vez ela – desilusão com as pessoas.

Esperou demais dos outros, colocou fardo pesado na fragilidade humana e o resultado não poderia ser outro: dor, sofrimento e desilusão.

Temos que considerar: O ser humano é suscetível a equívocos, e se creditamos responsabilidade em demasia nos outros, a decepção poderá não tardar a chegar.

Nenhum comentário:

Postar um comentário