quinta-feira, 12 de março de 2009

13 * PALAVRAS DE VIDA ETERNA (ESTUDOS)

LIVRO: “PALAVRAS DE VIDA ETERNA” (11º ESTUDO)
Francisco Cândido Xavier / Emmanuel

TEMA: “AJUDEMOS TAMBÉM"

“Ele respondeu e disse: Dai-lhes vós de comer..."
( Marcos, 6:37)

            Nesta frase, "Dai-lhes vós de comer", vamos recordar a passagem narrada por Marcos sobre a multiplicação dos pães, feita por Jesus.

            O ensinamento fala claramente das atitudes pessoais diante das necessidades humanas, sejam elas materiais ou espirituais.

            Se alguém está faminto a caridade pede sim saciá-lo em suas necessidades básicas, passando-nos o ensinamento de que além de rogarmos ajuda espiritual, temos por obrigação agir com nossa própria capacidade.

            Somos seres com potencial Divino, logo dentro de relativa perfeição podemos tudo, não podendo assim passar adiante responsabilidades que são nossas.

            Os Benfeitores Espirituais nos amparam, para que possamos realizar um bom trabalho, mas por amor, permitem que através de nossos esforços tenhamos o mérito do acerto, na prática do Bem. Nas inúmeras oportunidades diárias, por falta de confiança ou acomodação, solicitamos ajuda primeiro do céu, esquecendo que esta ajuda já nos envolve aguardando nosso agir para que possam sustentar-nos, ampliar essa ação a campos que talvez nem percebamos num primeiro momento.

            Jesus conhecia as necessidades daqueles que ali estavam, mas enfatiza que a oportunidade de servir era de cada um.

            Por hora podiam dar-lhes de comer, o alimento físico, mas depois por certo poderiam, também, dar-lhes o alimento espiritual.

            A fome era naturalmente do corpo, mas, ainda e sempre, vemos a multidão carente de amparo, dominada pela fome de luz e de harmonia, devido à própria incompreensão.

            Jesus afirmou que somos deuses, e que faríamos o que Ele fez e muito mais, dependendo isso do quanto cada um trabalhar consigo no sentido de ampliar esse potencial perfectível. Assim, comecemos pelas pequenas tarefas:

  • um doente na rua
  • um parente necessitado
  • um obsesso que sofre
  • a casa conflagrada do vizinho
  • o companheiro algemado ao leito, e tantas outras situações que mostram que as oportunidades são infinitas a esperar por nosso despertamento.

            A fome de pão é a que mais comove, porém, não é a mais digna de lástima.

            Outras há que são escondidas cuidadosamente.

            A fome de amor, de conhecimentos, de paz, etc.

            "Não só de pão vive o homem", suas aspirações, seus anseios mais íntimos, são súplicas de famintos.

            Para ajudar é necessário que arregimentemos em nós valores e que prontamente nos disponhamos a ser tolerância, compreensão, humildade,,paciência, amor enfim..

            Apresentemos possibilidades, ainda que pequenas, não importa, dizendo: Senhor é tudo o que temos, e Ele multiplicará nossas pequenas ofertas, como fez com os pães.

Bibliografia:

  • Fonte Viva – F. C. Xavier/Emmanuel – lição 131

Marilisa Carvalho / Maria Ap. F. Lovo

Nenhum comentário:

Postar um comentário