terça-feira, 12 de julho de 2016

*MANIFESTAÇÕES INTELIGENTES*

*MANIFESTAÇÕES INTELIGENTES*

*D.Villela*

Em termos de comunicação com o mundo espiritual, manifestações inteligentes são aquelas em que se patenteia a intervenção de um agente livre e voluntário, embora invisível, na produção dos fatos observados.

Conquanto no período inicial desse intercâmbio, na segunda metade do século XIX, os fenômenos propriamente físicos, como as materializações ou o deslocamento de objetos, tenham despertado grande interesse entre os pesquisadores, as ocorrências em que se evidenciava a atuação de uma inteligência oculta ganhou, progressivamente, destaque especial, sendo elas, aliás, que levaram o Prof. Rivail a dedicar-se ao estudo daquelas comunicações, a partir das quais, mediante critérios de racionalidade e universalidade, codificou a Doutrina Espírita.

Já há bastante tempo  mais de um século  que associações não religiosas foram criadas nos países mais desenvolvidos com o objetivo de pesquisar os fatos de natureza paranormal, procurando obter, através de seu exame, evidências da continuidade da vida e da consciência após a morte do corpo. A mais antiga delas é a Society for Psychical Research (Sociedade para Pesquisa Psíquica), fundada em Londres, em 1882, por um grupo de intelectuais britânicos com o propósito de realizar pesquisa sistemática, conduzida em padrões acadêmicos, sobre experiências humanas que desafiam os modelos científicos contemporâneos. A SPR, que sempre manteve o alto nível de seus trabalhos, contou, entre seus presidentes, com nomes ilustres da ciência e da pesquisa psíquica, tais como William James, Henry Bergson, Joseph B. Rhine, Charles Richet e John W. Strutt, estes dois últimos laureados com o prêmio Nobel. Entre os associados contava também com membros ilustres, como Arthur Conan Doyle, Carl Gustav Jung, Frederic Myers, Alfred Russel Wallace, William Crookes e Oliver Lodge. No portal da SPR (www.spr.ac.uk) encontramos os endereços eletrônicos de dezenas de instituições congêneres, em várias partes do mundo, ligadas a conhecidos centros universitários. Outra importante organização é o Rhine Research Center (Centro de Pesquisas Rhine), cujo nome homenageia o Dr. Joseph Banks Rhine, pesquisador norte-americano que, em 1935, criou na Universidade de Duke, na Carolina do Norte, o primeiro laboratório dedicado à pesquisa em parapsicologia. O RRC mantém intenso programa de atividades, que inclui, além da pesquisa, palestras e seminários de divulgação e cursos de parapsicologia, inclusive online. Seu portal é www.rhine.org.

Embora para nós, espíritas, as noções que fundamentam a religião sejam fatos comprovados e não artigos de fé, devemos reconhecer a importância indiscutível de tais associações ante o materialismo moderno, pois seus dirigentes e pesquisadores pertencem ao meio científico e abordam a problemática do espírito com linguagem e metodologia da ciência contemporânea.

Certificando-se, pela observação e por experiência direta, da autenticidade das comunicações mediúnicas, Allan Kardec estabeleceu também as diretrizes e a metodologia para o correto emprego da mediunidade, bem como os critérios para o controle de seus resultados, reunindo esse material em O Livro dos Médiuns, o mais completo tratado de que se dispõe para o conhecimento e a prática da mediunidade. E, sucessivas gerações de espíritas, seguindo as orientações contidas nessa obra, ampliaram extraordinariamente, em bases seguras, a bibliografia espírita que cobre hoje todas as áreas da ação e do pensamento humano.

*“O Livro dos Médiuns” (Segunda Parte, capítulo 3).*


SERVIÇO ESPÍRITA DE INFORMAÇÕES
Boletim SEI: E-mail: boletimsei@gmail.com
Junho 2014 – no 2237

Nenhum comentário:

Postar um comentário