domingo, 3 de julho de 2016

ESTUDO 56 ESTUDO EVANGÉLICO Livro: Palavras de Vida Eterna "JESUS E PAZ"

ESTUDO EVANGÉLICO

Livro: Palavras de Vida Eterna

Francisco Cândido Xavier pelo Espírito Emmanuel

ESTUDO 56

"JESUS E PAZ"

"Deixo-vos a paz, a minha paz vos dou; não vo-la dou como o mundo
a dá
 ..."- Jesus (JOÃO, 14:27)

Não podemos confundir a paz do mundo com a paz de Jesus, porque existe muita diferença entre elas.

É comum, entre nós, confundir a idéia de paz com a idéia de silêncio, descanso, sossego, etc.

É por isso, que em mundos inferiores, como o nosso, paz costuma ser preguiça rançosa, como diz Emmanuel, e a calma que podemos presenciar, pode não passar de estacionamento dos seus habitantes.

Em mundos de prova e expiação como a Terra, o acordo de paz entre as nações costuma representar o silêncio provisório das armas, o cessar fogo temporário.

Para algumas pessoas, paz é não ter obrigações, não ter que cumprir horários, não conhecer disciplinas de modo a supor que vivem em liberdade.

Para muitas pessoas abastadas inconscientes é a preguiça improdutiva e incapaz, é ter de tudo, conforto material, facilidades econômicas, prestígio social, dessa forma sentem-se com o poder.

Nos planos mais altos, a serenidade significa trabalho ativo no Bem, buscando a perfeição.

Temos em Jesus o exemplo da verdadeira paz. Desde o nascimento na estrebaria, tendo como berço uma manjedoura, sempre demonstrou paz, em todas as situações nas quais se viu perseguido.

Exerceu a sua missão tranqüilamente, amando e servindo a todos que O procuravam, necessitados de todos os tipos.

Quando abandonado pelos companheiros, preso injustamente, e levado à crucificação, esteve sempre imperturbável, envolvido em paz sublime.

Paz verdadeira é a do Cristo, porque propõe trabalho ativo e continuado para o bem; é a que ensina o cumprimento dos deveres como parte da autodisciplina; é a que sabe tirar proveito das dificuldades materiais e sociais, sem a elas acomodar-se lutando com firmeza para vencer as provas.

A paz que vem de Jesus é inconfundível, é a que permite enfrentar todos os testemunhos, sem propostas de fuga, mas com o entendimento necessário de que as Leis Divinas são justas, que temos e sofremos as situações que precisamos para o nosso aperfeiçoamento.

Dando a sua paz aos discípulos, Jesus lhes dava a consciência do dever cumprido, a força da fé, a ventura da esperança.

A paz do Cristo é muito diferente da paz que o mundo oferece. Somente o Senhor pode conceder ao Espírito a paz verdadeira.

Paz do Espírito é segurança íntima, é serviço renovador.

A paz de Jesus é o serviço do bem eterno em permanente evolução.


Bibliografia:    

"Vinha de Luz", Emmanuel / F.C.Xavier, lição 105


Maria Aparecida Ferreira Lovo
Março / 2006


Centro Espírita Batuira
cebatuira@cebatuira.org.br

Ribeirão Preto (SP)

Nenhum comentário:

Postar um comentário