quinta-feira, 26 de julho de 2012

Medo e Autoconfiança


Rodrigo Machado Tavares
 
     “Da conquista da paciência, face à perseverança que a completa, passa-se à autoconfiança, à certeza das possibilidades existentes que podem ser aplicadas em favor dos anseios íntimos.” 
      Todos nós, por sermos espíritos ainda imperfeitos, estamos numa “infância psicológica”. Esta realidade faz com que certos sentimentos ainda sejam muito latentes em nós.
O medo é um deles, que nos deixa em estado de alerta quando nos sentimos ameaçados, quer físico, quer no psicológico. O medo é um sentimento natural; contudo, a depender do nível em que se encontre desenvolvido em nós, pode prejudicar o nosso processo evolutivo.
Quando bem administrado, pode transformar-se em cautela; ao contrário, pode transformar-se em fobia.
     Segundo Joanna de Ângelis: “a coragem de manter contato com os próprios medos é recurso terapêutico muito valioso para a sua erradicação...”. É interessante observar que Carl Jung asseverava que “só aquilo que somos realmente tem o poder de curar-nos”. Em outras palavras, podemos afirmar que não devemos ter medo dos nossos medos; temos sim que identificá-los e dominá-los.  Assim sendo, começaremos a ter a segurança necessária para gerenciá-los. 
       A Benfeitora Joanna de Ângelis ainda afirma que: “o amor é o antídoto eficaz para a superação do medo e a sua conseqüente eliminação”. E é justamente através do AMOR que passamos a ter AUTOCONFIANÇA; tão necessária para a nossa “maturidade psicológica”. 
            
   

Rodrigo Machado Tavares é Engenheiro e pesquisador, residente em Londres. Colabora com diversos Grupos Espíritas. 

Jornal de Estudos Psicológicos
Ano II N° 8 Janeiro e Fevereiro 2010
The Spiritist Psychological Society 

Nenhum comentário:

Postar um comentário