sexta-feira, 27 de julho de 2012

ESPIRITISMO: Esclarecendo a Humanidade


Wagner Gomes da Paixão

     Quando da sua recente estada em Londres, colaborando com os trabalhos de difusão Espírita, atendendo convite desta Sociedade, Wagner Gomes da Paixão concedeu a seguinte entrevista: 
1. O que objetiva a Teoria da Reencarnação?
A reencarnação é uma lei universal que comprova a justiça perfeita de Deus, atributo imprescindível ao Criador, porque, através das existências sucessivas permite que seja dado a cada um segundo as suas próprias obras. O objetivo das encarnações sucessivas, conforme a Lei de Causa e Efeito, é o aprimoramento interior dos seres, que vão alcançando posições espirituais de vulto sempre que fixam, através das experiências a que se dão em cada oportunidade reencarnatória, os princípios da vida cósmica. A plena consciência e o domínio supremo de nossos potenciais de espírito são conquistados através das existências sucessivas, consoante ocorre com o indivíduo humano que frequenta as escolas desde a infância até alcançar as mais destacadas posições culturais e de realização social nas universidades do mundo, então adulto.
 2. Como se dá o processo evolutivo do Princípio Inteligente nos diversos reinos da natureza?
Como revelam os Espíritos e também as observações científicas, O Princípio Inteligente é conduzido pelos Seres mais evoluídos que agem no Universo em nome do Criador. No Reino Mineral, através do processo de atração molecular entre os elementos, o PI é trabalhado pelas forças naturais "de fora para dentro" num quadro que é definido pelos Benfeitores Espirituais como "quimiossíntese".  
No Reino Vegetal, dá-se a expansão do PI quando ele se abre e inicia a jornada expansionista "de dentro para fora"; temos aí, de acordo com os orientadores da Vida Maior, o trabalho da "sensação", com a fotossíntese, por avançada manifestação do PI. No Reino Animal, encontra mos o PI trabalhando o instinto, que é base da inteligência; os Guias do Infinito definem aí o processo da "biossíntese", tão importante para autorizar o surgimento das estruturas humanóides. Vale ressaltar que todos os processos crescentes de automatização das forças intrínsecas do Princípio Inteligente nos reinos anteriores ao homem têm o objetivo de formalizarem as bases do denominado PERISPÍRITO, que se apresenta no homem primitivo das eras já mortas de nossa história na Terra, a fim de autorizar o fluxo do pensamento e toda a estrutura mental do Ser, que se qualificará no tempo, e pelas circunstâncias através de sucessivas reencarnações. Eis uma singela síntese da jornada evolutiva do Princípio Inteligente até o Homem. 
 3. Por que o Espiritismo é uma proposta de educação do Espírito?
Porque o Espiritismo, na feição de Consolador Prometido por Jesus, é a síntese maravilhosa da cultura humana de todos os tempos, coroada pela Verdade Divina que o Cristo de Deus viveu em plenitude, entre nós.
Com a Doutrina dos Espíritos, o orbe terrestre alcança a sua maturidade moral e avança para a Regeneração, quando as almas não mais gastarão tempo e energia com crendices e preconceitos, ignorância e brutalidade, mas com a sua projeção consciente para Deus, através do Amor.
4. Quais as repercussões do pensamento espírita na sociedade contemporânea?
O pensamento genuinamente espírita, conforme exposto nas obras publicadas por Allan Kardec e também, de modo muito especial, nas obras psicografadas por Chico Xavier, repercute na sociedade contemporânea como uma "voz da consciência", verdadeiro brado da Verdade, a resgatar o bem da impostura, a sabedoria do misticismo, a fraternidade das paixões e o progresso real das fantasias materialistas. 

5. O Planeta Terra está em transição para planeta de regeneração. Como isso ocorre?
Abundam as colheitas oriundas das sementeiras de muitos séculos e até de milênios. Os seres sofrem o efeito "estufa" não somente no Globo material, mas principalmente em aspecto espiritual, moral. As dores internas intensificam-se, agravam-se, os dramas multiplicam-se e, então, entendemos a linguagem simbólica de Jesus na Parábola do Festim das Bodas, quando diz: "Atai-o de pés e mãos e lançai-os nas trevas exteriores, pois ali haverá pranto e ranger de dentes". Todos nós estamos coletivamente colhendo o que plantamos e somos OBRIGADOS a sentir na pele o que fizemos indiscriminadamente no tempo, contra os outros e obviamente contra nós. O recrudescimento da dor é sinal evidente de mudança, de transformação. Então, na hora mais escura da madrugada, temos o "clímax" do dia que termina e passamos a ver os primeiros raios da aurora, de um outro dia, chegando devagar e com pleno poder. É o sofrimento, o cansaço, a exaustão nos predispondo a uma nova atitude, a novas buscas, ao amadurecimento interior!

6. Podemos conseguir tudo o que almejamos pelo simples fato de desejar e querer?
Costumamos dizer que, não tem Ideal, quem não tem rumo. E quem não tem rumo permanece à mercê das correntezas da vida física. Toda conquista, mesmo no mundo físico, depende de esforço e disciplina. 
Não se alcança o Reino de Deus sem trabalho que justifique essa conquista interior. Desejar é impulso do campo de nossas sensações, mas quem estuda a Verdade Divina e se disciplina para alcançar suas metas morais e espirituais usa a VONTADE. Somente a Vontade é força moral suficiente para alterar os quadros de dor e de infelicidade de uma criatura. Emmanuel nos ensina isso no livro Pensamento e Vida.

7. Como devemos entender as enfermidades?
Devemos entender as enfermidades como manifestações de nossas mazelas morais no campo da alma que já trilhou outros caminhos em reencarnações pretéritas. São "escoadouros" de nossas toxinas internas, de comprometimentos do passado ou de distúrbios que causamos a nós mesmos nesta reencarnação, através dos pensamentos maléficos, dos sentimentos indignos, violentos, passionais. A enfermidade manifesta no corpo é sinal evidente de limpeza, de tratamento do Espírito, pois ela nos revela o quanto necessitamos nos cuidar, nos renovar, mudar de padrão moral e comportamental. Somente se cura quem não volta a "pecar", ou seja, a praticar o que a consciência aponta como sendo um mal, aceitando a prova em confiança no bem e ao seu serviço, com apoio vivo da oração, além, é claro, das providências médicas compatíveis.

8. Você acredita que a dor é necessária para que venhamos a educar os nossos sentimentos?
A dor é sempre a consequência de nossas deserções morais. Não existe dor, no sentido de sofrimento, de expiação, quando há docilidade no ser, quando há obediência aos valores da vida, da consciência (dizemos consciência e não desejos personalistas).
Uma criatura que presta atenção no caminho, que busca "ouvir" sua própria consciência e que se vale das genuínas revelações espirituais para acordar o "homem novo" em si mesma, anda em paz, edificada, vencendo todas as fases de sua formação essencial para o Universo infinito. Então, a dor, que sempre surge quando não há coerência entre saber e fazer, é uma bênção de despertamento e correção de rumo – pura expressão da Misericórdia do Pai!

9. O amor é um sentimento por excelência, mas ainda é incompreendido por muitos. Como diferenciar o amor da paixão?
A paixão é o rudimento, o amor é a realização. Poderíamos dizer, numa analogia, que o carvão é a paixão; no tempo, sofrendo o efeito das forças naturais, dos "quimismos" renovadores, ele se transforma em diamante, capaz de retratar a luz, em sublimes cambiantes.

10. Qual o papel da idealização no campo das relações humanas? O amor pode equivocar-se a partir da idealização? Quais as consequências?
A imaginação é um dos departamentos da mente que deve estar sob a coordenação da vontade lúcida.   Pelos excessos nesse terreno impressivo e tão fecundo da alma, podemos "comprar" pelo engano e isso pode nos custar decepções e amarguras que nos induzam à obsessão. No terreno das relações humanas, ainda nos encontramos muito presos aos caprichos pessoais, às carências, e é de bom alvitre estar VIGILANTES.
Temos aí, ainda, os processos do desejo e o desejo, que também é um departamento do campo mental; vale-se da imaginação para impregnar todo o ser, predispondo-o a alguém ou a alguma coisa. Quanto mais a criatura se estuda à luz do Evangelho redivivo, mais essa criatura fixa o que é importante, essencial, dando adeus às ilusões, às fantasias. Isso não quer dizer que devamos parar de sonhar, mas sonho por sonho não é realização. É preciso nos resguardemos de tanto desgaste de energia, desnecessário.
Amar é um imperativo e ninguém vive sem os outros, mas amar não significa escravizar ninguém, não significa obrigar alguém a fazer por nós o que queremos. Amar é dar com alegria, com desprendimento e nunca cobrar retribuição.

11. Quais são as terapêuticas que a Doutrina Espírita nos traz para reequilibrar o nosso ser?
As mais eficientes terapêuticas que o mundo já conheceu são as da transformação moral através da consciência. Quando uma criatura em aflição e desajuste adentra um Centro Espírita ou começa a ler as obras sérias de Espiritismo, passa a receber luz em seu íntimo e, segundo disposições próprias pela assimilação das Verdades Cósmicas, pode curar-se das mazelas e tormentas que traz, geralmente, por ignorância ou perversão. Todas as terapêuticas existentes no mundo são contribuições para o realinhamento das pessoas, mas o poder real da cura está no Evangelho de Jesus, que o Espiritismo reedita em espírito e verdade para a Terra, porque a Mensagem do Cristo é vida plena no amor em Deus.

12. A criatura humana durante a sua existência procura pela felicidade. Existe diferença entre felicidade e alegria?
Alegria é um sentimento de satisfação que nasce das boas sintonias ou das boas realizações. Há graus diversos de alegria; desde a periférica, que não passa de euforia (fogo - fátuo), geralmente por conquistas materiais, transitórias, ao júbilo, que é todo moral e, por isso, duradouro. A felicidade, porém, é um estado completo de integração com o Universo. A felicidade só pode ser alcançada quando existe amor e quando este amor é universal. Na Doutrina Espírita, a prática do amor é chamada, pelos Benfeitores Espirituais, de Caridade, porque a Caridade é o sentimento do amor que se torna universal, por todos e por tudo, refletindo Deus. Os Espíritos puros são felizes, porque amam todos os seres, todas as coisas e buscam servir. A felicidade plena somente existe a partir da completa depuração dos seres, mas é uma conquista de cada dia.

Wagner Gomes da Paixão é médium e expositor espírita, residente no Brasil. É fundador do Grupo Espírita da Benção, em Mário Campos  -  MG

Jornal de Estudos Psicológicos
Ano III  N° 9   Março e Abril 2010
The Spiritist Psychological Society

Nenhum comentário:

Postar um comentário