sexta-feira, 29 de junho de 2012

Gentileza


Evanise M Zwirtes

Na realidade do Universo quântico, de possibilidades, neste mundo globalizado, aqueles que se destacam pela cooperação e pela ética constroem relações mais saudáveis e duradouras. São relações que possibilitam experiências auto-realizadoras, atendendo um convite da Vida ao equilíbrio pessoal e social.
 Assim sendo, perguntamos: o que entendemos por gentileza?
Como ser gentil no dia-a-dia?
Entendemos que gentileza é um modo de ser, de estar, do indivíduo.  Isto é, uma expressão da individualidade, comunicando suas potencialidades divinas na relação intra e interpessoal.  Essa expressão decorre do despertar da consciência, isto é, o ser, no seu processo evolutivo, possibilita-se apreender, gradualmente, os valores reais da vida, desenvolvendo, então, as virtudes, tais como: alegria, amorosidade, afabilidade, amizade, brandura, gratidão, humildade, justiça, paciência, prudência, respeito, renúncia, ternura, tolerância, etc. 
   É interessante notar que, no processo de aprendizagem, aprender a ser gentil consiste em aprender a despertar os sentimentos nobres, o coração, o que significa desenvolver, principalmente, a inteligência emocional, que  é  resultado  do  exercício  do auto-amor. A autoterapia do amor e do sentimento de dever contribui para o prosseguimento do esforço de crescimento interior.   
   Esse desenvolvimento decorre de um trabalho de autoconhecimento, auto-descobrimento, autotransformação e auto-iluminação, numa vivência solitária e solidária. Jung já dizia que o “Cristo é o homem interior a que se chega pelo caminho do autoconhecimento.”
   É necessário aprender a ouvir a nós mesmos; estar ciente do que pensamos, sentimos e como agimos. O ser psicológico manifesta-se na vivência diária, através dos comportamentos nos inter-relacionamentos pessoais. 
   Convém lembrar que gentileza não é ingenuidade.  Nem é ser falso ou manipulador. O poder da gentileza vem da bondade, não da falsidade. Ser gentil decorre de gestos, atitudes simples, como por exemplo, sorrir, agradecer, perdoar ofensas, silenciar agressões, relevar indiferenças, respeitar diferenças (pessoas ou situações), etc.
A gentileza é o princípio da renúncia.
   Com essa atitude interna, construímos uma qualidade de vida que nos propicia alegria de viver, entusiasmo para crescer e aprender sempre, facilitando nossa existência com oportunidades renovadoras, auto-motivadoras e libertadoras. 

Evanise M Zwirtes é Psicoterapeuta e Coordenadora do  The  Spiritist Psychological Society, Londres-UK.

Jornal de Estudos Psicológicos
Ano II N° 6  Setembro e Outubro 2009  
The Spiritist Psychological Society 

Nenhum comentário:

Postar um comentário