segunda-feira, 4 de junho de 2012

Saúde Integral


Ana Cecília Rosa
 
“Uma organização fisiopsíquica resulta da perfeita identificação entre o Espírito e o soma, como decorrência das reencarnações anteriores ou das conquistas atu-ais, preparando a existência em marcha para a plenitude.” Joanna de Ângelis

Os avanços científicos e tecnológicos dos últimos dois séculos influenciaram sobremaneira a visão da saúde atual. O processo de adoecer e a busca do alívio e/ ou cura dos sintomas relacionados às doenças, têm se tornado altamente especializados. Já conseguimos apontar a causa molecular para os nossos desequilíbrios orgânicos porque já nos tornamos hábeis investigadores da nossa estrutura microscópica. Termos como genoma humano, células-tronco, hormônios e outros, já fazem parte da nossa conversação cotidiana e são tidos como a grande esperança de um futuro sem doenças.
Este cenário de otimismo tem sido questionado, inclusive pelas maiores autoridades científicas. O comportamento de certas doenças não é tão previsível quanto antes se imaginava. E a causa desta “imprevisibilidade” reside no Homem e em todo aspecto bio-psico-socio-espiritual que é inerente à sua natureza.
Desta forma, o conceito de saúde integral inclui a abordagem de todos estes aspectos anteriores descritos, além da sua relação com o meio ambiente, que é a definição atual proposta pela Organização Mundial de Saúde, contrapondo-se a idéia anterior da ausência de doença.
Desde a antiguidade sabemos deste binômio corpo-espírito. Porém, a partir do século XIX com o advento do Espiritismo o Homem integral foi definido como composto por corpo- períspirito-espírito, em constante relação com o mundo ao seu redor, material e “extrafísico”, aos quais influenciamos e que, também, somos influenciados, seja através de pensamentos, sentimentos ou atos. Desta forma,a perspectiva e a abordagem para a cura, parte do princípio de buscar o equilíbrio de todos os aspectos da nossa integralidade, além de considerar o homem como espírito eterno, em processo de reajuste com as Leis Divinas, e submetido a Lei de causa e efeito, conferindo oportunidade de aprendizado e evolução.

As propostas terapêuticas espíritas se caracterizam em atividades desenvolvidas pelos Centros Espíritas, através de estudos, orações, passes magnéticos, atendimentos fraternos, desobsessão e águas magnetizadas (fluidificadas). Essas são as formas de trata-mento alternativo paralelo ao tratamento médico. É importante ressaltar a necessidade do tratamento médico tradicional na busca da cura completa, lembrando que os desequilíbrios de qualquer origem ge-ram desarranjos físicos, causa-dores de doenças, que necessitam dos recursos que só a medicina dispõe para tratá-los.
A terapêutica espírita consiste de recursos que permitam um entendimento do homem dentro de sua integralidade, buscando compreender as causas imediatas e anteriores ao seu processo de adoecimento, permitindo-se oportunidade para a busca de auto-conhecimento, refazimento e transformação. Junto a isto, ela proporciona tratamentos magnéticos (passe, água fluidificada) que reequilibram o espírito e o perispírito (corpo espiritual) e, posteriormente, o corpo físico; gerando condições de saúde. Isto tudo dentro do conceito de Justiça e amor infinito de Deus que concede “a cada um segundo as suas obras”.

Jornal de Estudos Psicológicos
Ano I N°1 Novembro - Dezembro 2008
The Spiritist Psychological Society 

Nenhum comentário:

Postar um comentário