terça-feira, 5 de junho de 2012

A Arte de Viver


Evanise M Zwirtes

Viver é dádiva divina. Muitos pensadores do desenvolvimento humano vem nos orientando da necessidade de treinamento progressivo do caráter e do comportamento dos indivíduos, objetivando propiciar qualidade no viver.
Todavia, na sociedade contemporânea, observamos que, muitas são as pessoas portadoras de conflitos psicológicos e emocionais variados, deteriorando o seu nível de viver. Perguntamos qual a causa destes conflitos? Acreditamos que viver é escolher. Será que sabemos fazer escolhas que propiciam auto-realização, autopromoção da nossa individualidade? Sabemos o que nos torna feliz ou infeliz? Como lidamos com diferenças? Vivemos ou existimos?
Em verdade, temos sempre a possibilidade de escolha quando se trata do conteúdo e da natureza de nossa vida interior. Isto é, o que pensamos, sentimos e conseqüente-mente o que fazemos. Sob nosso controle interior estão as nossas opiniões, aspirações, desejos e as coisas que nos desagradam. Fora de nosso controle, estão coisas, como:
O que os outros pensam de nós; como as pessoas se comportam. Tentar controlar ou mudar o que não podemos gera aflição e angústia. Tentar assumir as questões de outros como se fossem nossas, torna a pessoa frustrada, ansiosa e com tendência para criticar os outros. As pessoas e as coisas são o que são e não o que desejamos que sejam nem o que parecem ser.
Sendo assim, o maior ideal humano deveria ser: harmonizar sua vontade com a natureza. Não escolhemos as circunstâncias externas de nossa vida, mas sempre podemos escolher a maneira como rea-gimos a elas. Quanto mais avaliamos nossas atitudes e trabalhamos nossa realidade interna (pensamentos e sentimentos), menos sujeitos estaremos aos impulsos emocionais reativos à realidade externa.
Felicidade e realização pessoal são conseqüências naturais de atitudes corretas, oriundas de escolhas acertadas.
A arte de viver é a arte de aprender a amar a Vida.

Evanise M Zwirtes é Psicoterapeuta e Coordenadora do The Spiritist Psy-chological Society em Londres.

Jornal de Estudos Psicológicos
Ano II  N° 2  Janeiro e Fevereiro 2009
The Spiritist Psychological Society

Nenhum comentário:

Postar um comentário