terça-feira, 11 de outubro de 2016

VENCENDO A DEPRESSAO

IRC-Espiritismo

Palestra Virtual

Promovida pelo IRC-Espiritismo

http://www.irc-espiritismo.org.br

*Tema: Vencendo a Depressão*

*Palestrante: Bianca Cirilo*

Rio de Janeiro

IRC-Espiritismo

*Organizadores da Palestra:*

*Moderador:*  "_Alves_" (nick: [Moderador])

*"Médium digitador":*  "M_Alves e Jaja" (nick: Bianca_Cirilo)

*Oração Inicial:*

*Mestre amado Jesus e espíritos amigos. Reunimo-nos 
nesta noite a fim de estudarmos um tema de grande importância. Que
possamos contar com as inspirações vindas do alto e que possamos
agradecer tal oportunidade que certamente nos engrandecerá os
corações e almas fortalecendo-nos na caminhada que daqui surjam
alívios às dores de toda sorte e sejamos dignos de receber o
amparo de que tanto carecemos. Que assim seja!*

*Apresentação do Palestrante:*

Boa noite. Meu nome é Bianca, sou trabalhadora do 
Centro Espírita Léon Denis há 10 anos e, além disso, atuo como
psicóloga a nove anos. Atualmente tenho me dedicado aos estudos
sobre psicologia espírita e a evangelização de jovens na Casa de
Léon Denis bem como me dedico no campo profissional a psicologia
clínica e institucional. (t)

*Considerações Iniciais do Palestrante:*

O tema de hoje é bem atual, tendo em vista as 
pressões sofridas pelo homem moderno e conseqüentemente a vivência
de um vazio existencial. Vários fatores contribuem para uma
Desistência de si mesmo, principalmente quando não se tem uma base
religiosa ou algo que dê sentido a vida. A proposta da nossa
conversa consiste em esclarecer alguns motivos que levam o homem,
na atualidade, a sofrer o problema da depressão e, além disso,
refletir sobre como vencê-la. (t)

*Perguntas/Respostas:*

<[moderador]> [1] - <_alves_> Bianca, até que ponto os espíritos 
ignorantes podem contribuir para piorar um processo depressivo?

Dependendo do grau de sintonia que o indivíduo 
esteja vivendo com esses espíritos, eles podem piorar o sentimento
de inferioridade e a sensação de perda existencial. O problema se
agrava na medida em que o indivíduo não conhece a si mesmo e não
procura refletir sobre suas dificuldades e seus problemas
emocionais. (t)

<[moderador]> [2] - Sendo a depressão uma doença 
dos tempos modernos, como dizem alguns psicólogos, como deve o espírita atuar perante tal fato?

Antes de mais nada, o espírita tem o dever de se 
conhecer e estabelecer consigo mesmo uma relação sincera onde ele
possa avaliar seus recursos internos, assim como suas quedas
morais. A Doutrina Espírita reúne um corpo de conteúdos filosóficos, sociais e psicológicos que muito auxiliam na
descoberta do ser consciente que todos nós somos em potencial. (t)

<[moderador]> [3] - Existem níveis ou formas diversas 
de depressão?

Sim. Existe um primeiro estágio onde o indivíduo 
experimenta uma espécie de apatia ou cansaço físico e mental. Num
segundo estágio há um comprometimento em termos cognitivos. O que
seria isso? O sujeito começa a acreditar-se fracassado, cultivando
de forma contínua pensamentos de derrota e autopiedade. Num
terceiro estágio esse estado de coisas pode levar até mesmo a
autoflagelação até ao suicídio. (t)

<[moderador]> [4] - <_alves_> A ciência materialista tenta achar 
um "culpado" para a depressão nos genes, esquecendo da parte
espiritual. Como andam estes estudos por parte dos cientistas
espiritualistas, principalmente os espíritas?

Atualmente, Joanna de Ângelis (Divaldo Franco), 
assim como Hammed (Francisco do Espírito Santo), são os espíritos
que mais se destacam no tocante ao esclarecimento espírita sobre o
assunto. Ambos dedicam-se a esclarecer o problema da alma humana,
a questão reencarnatória e a importância do auto-exame como
elemento fundamental para que o espírito possa entrar em contato
com o seu patrimônio espiritual e suas tendências emocionais. (t)

<[moderador]> [5] - Vemos aparecerem depressões 
nos jovens de hoje com muita freqüência. Sabemos que muitos
fatores contribuem para isso. Será que a degradação em que a
família se encontra a causa maior?

Não necessariamente... Sem dúvida a harmonização 
familiar é de suma importância para o equilíbrio dos membros.

Entretanto, cada espírito traz consigo uma série de experiências
reencarnatória anteriores que respondem pela maior ou menor
tendência a depressão. Joanna, por exemplo, nos esclarece que o
problema da depressão está fortemente associado a dificuldade de
aceitação da frustração e das novas exigências que a vida atual do
espírito lhe impõe. (t)

<[moderador]> [6] - Muitos espíritas se apressam em 
procurar causas espirituais para os estados depressivos. Essa
conduta não é correta. Causas orgânicas devem sempre ser as
primeiras investigadas... Só após tentar identificar a
possibilidade espiritual. Qual a sua opinião?

Não podemos esquecer que o funcionamento do corpo 
físico depende da natureza do perispírito. Este, por sua vez, é
vem impregnado pelos desejos do espírito. Certamente, há correntes
no campo científico que sustentam os motivos endógenos da
depressão, assim como relacionam os mesmos com os fatores externos
ambientais que cercam o indivíduo. Contudo, tais correntes
desconsideram o problema do espírito enquanto ser imortal, e desta
forma, nós espíritas, podemos pensar que o que se vive no corpo  físico nada mais é do que o reflexo do ser pensante que nós somos.
(t)

<[moderador]> [7] - É possível haverem casos onde 
apareçam os sintomas psicológicos da depressão, mas não os
sintomas espirituais ou físicos e vice-versa? Ou a depressão
sempre afetará espírito, mente e corpo?

Devemos compreender que, espírito, mente e corpo 
funcionam como uma unidade e é exatamente quando a gente separa
estas categorias que a gente experimenta uma sensação de
estranheza com relação a determinados sentimentos. Compreender
estes aspectos separadamente seria fragmentar a realidade do ser
espiritual. O que se vive no corpo, guarda estreita relação com o
que a mente ou o espírito vem produzindo ao longo de sua
trajetória. (t)

<[moderador]> [8] - <_alves_> Em São Paulo existe a APE 
(Associação dos Psicólogos Espíritas). Como anda o engajamento no
Rio de Janeiro?

Não temos nenhuma associação, que eu saiba. Aqui 
na casa de Léon Denis este trabalho é pioneiro e recente.

Iniciamos o mesmo em junho de 2001 e lutamos com muita dificuldade
para conseguir colaboradores. Nosso trabalho funciona em regime de
palestras mensais (toda 1ª quinta-feira) abertas a participação do
público após a explanação. (t)

<[moderador]> [9] - Mas como explicar os efeitos 
benéficos da medicação antidepressiva? É inegável seu resultado.

Você diria que é uma espécie de mascaramento das reais causas? Ou
de que realmente existem casos espirituais e casos orgânicos?

Não poderia dizer que há uma espécie de 
mascaramento por que não sou médica. Não sei com profundidade até
onde o medicamento atua. Entretanto posso dizer com segurança que
a causa espiritual não é extirpada com o medicamento. Ela pode ser
abrandada, pois os aspectos de ordem emocional necessitam serem
trabalhados, o que não quer dizer que não se deva em alguns casos
utilizar-se do medicamento. (t)

<[moderador]> [10] - <|Helder|> Como diferenciar a melancolia da
depressão e qual a melhor maneira de ajudar uma pessoa amiga que
enfrenta dificuldades e rejeita ajuda, parecendo estar numa
situação de só tentar se reerguer quando chegar ao fundo do poço?

A melancolia é um termo que encontramos por 
exemplo na psicanálise para expressar a questão do luto exagerado
que vive uma pessoa, onde ela se identifica com o objeto perdido
e, inconformada com esta perda, ela cai num processo depressivo.

Podemos dizer que houve uma mudança de nomes, mas ambas
nomenclaturas referem-se a processos similares. Com relação a
ajudar alguém que rejeita ajuda torna-se difícil obrigar esta
pessoa a buscar recursos. A conversa franca sobre a situação
demonstrando os prejuízos que aquele estado vem trazendo a vida relacional deste indivíduo é um bom caminho. Porém, não devemos
esquecer que ajudar não significa assumir para sí os problemas do
outro. Devemos sim, mostrar a esta pessoa que estamos do seu lado,
mas que é necessário que ela faça força para dar o primeiro passo.
(t)

<[moderador]> [11] - A depressão é um novo nome para a 
melancolia (no contexto explicado no ESE)? Seria uma não-aceitação
do seu estado atual... Uma saudade... Uma vontade enorme de
voltar?

Também, mas não só isso. A natureza do espírito 
imortal é muito complexa. A saudade do plano espiritual é um dos
motivos que pode levar o homem a sentir uma leve tristeza.

Entretanto, essa saudade não precisa ser patológica, como é o caso
da depressão. (t)

<[moderador]> [12] - Depressão é uma doença do espírito? 

Para Joanna de Ângelis, sim. (t) 

<[moderador]> [13] - Ilson Aparecido Tavares (via site): Ao
Arrepender-se de um ato, é necessário pedir perdão?
O Arrependimento é o primeiro passo de tomada de 
consciência do ato. Ele significa que o indivíduo se vê
insatisfeito com os efeitos que o seu ato produziu.

Entretanto, não basta apenas arrepender-se. É necessário reparar
os prejuízos causados pela atitude equivocada que todos nós
estamos sujeitos. Daí, o ato de pedir perdão é o estágio mais
maduro em que se encontra o espírito, pois no momento em que ele o
realiza, ele consegue dobrar-se diante do próprio orgulho, e é tão
somente neste instante que o espírito pode admitir para si que
superou aquela dificuldade. (t)

<[moderador]> [14] - A mim parece que o estado 
depressivo começa com uma sensação de perda, como no caso da
velhice, quando o idoso começa a sentir que está perdendo valores,
etc., ou será que é uma “bomba" de retardo, que de repente detona?

Podem ser as duas coisas. A perda está sempre 
presente. Ela pode referir-se a uma perda real, concreta, como por
exemplo, a morte de alguém, bem como se referir a um sentimento de
perda que não é ainda consciente. (t)

<[Moderador]> [15] - Quando se referiu à 'patologia' da 
saudade, quis referir-se a sua intensidade?

Sim. (t) 

<[Moderador]> [16] - Existe um ponto onde podemos 
definir se a depressão é um caso patológico ou influenciação
espiritual?

O tratamento de socorro espiritual muito auxilia nesses casos, pois somente os espíritos têm controle do que de 
fato está acontecendo. Daí é necessário o concurso de medidas,
tais como receituários, passes espíritas, etc. (t)

<[Moderador]> [17] - <_alves_> Como tratar a depressão de pessoas 
próximas e amadas?

Levando essas pessoas a profissionais, tais como 
psicólogos, psiquiatras, a fim de auxiliarem de forma adequada no
encaminhamento das dificuldades. No que compete à família, é
apoiar, estimular, encorajar, sem cair no equívoco de viver a vida
do ser amado, acreditando que isso seja expressão de amor. (t)

<[Moderador]> [18] - O tratamento na casa espírita pode 
ajudar?

Sem dúvida. Sempre. (t) 

<[Moderador]> [19] - Existem fatores físicos que podem 
gerar depressão?

Alguns médicos elucidam que há determinados 
neurotransmissores que atuam no sistema nervoso central e estão
relacionados ao drama da depressão. Eu não arriscaria em dizer que
eles são causa, mas sim efeitos de um patrimônio espiritual,
refletido no corpo, que vem sendo alimentado pelo espírito. (t)

<[Moderador]> [20] - <_alves_> Pode o tratamento da casa espírita 
substuir o tratamento de consultório?

Não. Cada um tem a sua especificidade e a sua 
competência. Eles podem e devem, em muitos casos, funcionar
juntos. (t)

<[Moderador]> [21] - Quais os motivos que levam à 
depressão? Os psicólogos, psiquiatras, etc, tratam de forma
correta a depressão?

Inúmeros são os motivos que levam à depressão. 

Depende da individualidade espiritual, bem como da relação que o
indivíduo estabelece com o seu meio. Porém, alguns motivos parecem
centrais, segundo Joanna de Ângelis, tais como busca incessante do
prazer imediatista, a rotina, a falta de projeto, a dificuldade de
ser contrariado, a autopiedade e a culpa.

Quanto aos psicólogos e psiquiatras, depende de quem é o psicólogo
e de quem é o psiquiatra. Não podemos generalizar. (t)

<[Moderador]> [22] - No movimento espírita volta e meia 
nos deparamos com pessoas depressivas, e comentemos o erro de
tentar resolver o problema tentando trazer a pessoa para a nossa
forma de pensar e agir. Há limites para nossa interferência?

Complementando a pergunta do cfeitosa, como devemos agir, quando
nos deparamos com irmãos em depressão? O que dizer, sugerir, enfim, qual a melhor atitude a ser tomada, de modo a ajudar da
forma mais efetiva possível?

Em primeiro lugar, é ouvir, sem julgar, ou seja, 
nos disponibilizarmos internamente a deixar que o outro se
expresse da forma como ele deseja. O ato de ouvir, sem julgar,
comumente gera em quem fala uma espécie de alívio, e isso já é
bastante proveitoso. De acordo com a permissão que esta pessoa nos dê para atuar, devemos sim orientar de acordo com as nossas
possibilidades, sem resvalar no equívoco de realizar diagnósticos
dos quais não somos competentes e que, certamente, serão
precipitados. O espírita precisa aprender a ouvir, sem se
escandalizar e sem resumir aquela situação a seu acanhado ponto de
vista. (t)

<[Moderador]> [23] - As instituições espíritas (no caso 
os trabalhadores da casa) estão preparadas para lidar com pessoas
que chegam com depressão? Existem cursos pra isso? Como é feito o
estudo desses casos?

Não posso generalizar a questão do preparo das 
instituições espíritas. Posso responder de acordo com o círculo
acanhado de colaboradores do qual eu faço parte. Dentro da minha
limitada percepção, observo ainda um certo despreparo para lidar
com esta questão na casa espírita. Até porque a nossa tendência é
banalizar a depressão como sendo qualquer tristeza.

Aqui na nossa casa, graças a Deus, temos um curso que se chama
"Autocura", cuja proposta me parece bastante eficaz como estímulo
à superação da depressão. Porém, é preciso sempre que o sujeito
que sofre faça a sua parte. O restante lhe vem como acréscimo. (t)

<[Moderador]> [24] - Há relação entre depressão e 
obsessão?

Já havia mencionado, anteriormente, algo parecido. 

Vou procurar resumir. O estado depressivo é um grande convite à
obsessão. Porém, em alguns casos, não podemos esquecer que o
sujeito deprimido pode estar sofrendo de auto-obsessão. (t)

<[Moderador]> [25] - Quando se tem um motivo para depressão 
e não depende da gente para resolver, a coisa não sai do
pensamento, faço orações e mesmo assim a depressão insiste, como
se faz?

Em primeiro lugar, devemos aprender a separar o 
que podemos mudar, daquilo que não podemos mudar. Contudo, quando
falamos que o motivo não depende da gente, a gente deve entender
que o campo de resolução é sempre interno, ou seja, o problema não
está na situação, está na forma como a gente permite que a
situação tome conta de nós. Joanna nos diz que não devemos nos
desgastar emocionalmente em tentar mudar fatos ou pessoas, mas
podemos sim não permitir que a ressonância desses fatos dentro de
nós seja tão desastrosa. Para isso, certamente, precisaremos ter a
humildade de pedir ajuda, de se abrir e estabelecer conosco uma
relação franca, honesta, através do autoconhecimento. (t)

*Considerações finais do palestrante:*

Agradeço a todos pela satisfação de estar 
contribuindo, mesmo que minimamente, com a reflexão de um assunto
que ainda nos assombra a atualidade. Espero que Deus nos amplie a
inteligência e o sentimento para nos tornarmos espíritos
facilitadores uns dos outros. Que as nossas relações sejam mais
amistosas e evitando incitar-nos a tantas mágoas e ressentimentos,
que também se associam a dificuldades depressivas. Se nós
aprendermos a tolerarmos uns aos outros, a compreender o estágio
espiritual de cada um e a não exigir das pessoas aquilo que nem
mesmo nós conseguimos oferecer, certamente vamos minimizar o
problema da depressão. Somente uma sociedade mais solidária e
humana poderá erradicar tal problemática. E para isso todos nós
somos responsáveis pela construção deste mundo melhor. Que Deus
nos ilumine e nos abençoe sempre! Muita Paz! (t)

*Oração Final:*

Senhor Jesus! Muito agradecemos, por tudo que nos foi 
ofertado na noite de hoje em forma de conhecimento e oportunidade
de progresso. Que possamos, Senhor, divulgar essas informações
para o bem do próximo e de toda a humanidade. Possamos sempre
buscar o bem, a reforma íntima e o progresso nas palavras, ações e
pensamentos. Abençoe, Senhor a todos os irmãos em sofrimento na
Terra a todos que sofrem com a depressão e com tantos outros males
que existem. Possamos todos nós, estarmos sempre a postos, para o
auxílio a esses irmãos sofredores nunca esquecendo que ainda somos
doentes também. Esteja conosco, Senhor Jesus. Guia-nos, sempre.
Graças a Deus. Que assim seja! (t)

Nenhum comentário:

Postar um comentário